quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Religião - 3 motivos que levam os católicos a abandonar a Igreja.

O que acontece quando somos vacinados contra a mensagem autêntica de Jesus Cristo?
"Então, cara...", comecei, um pouco nervoso. Esta foi a nossa primeira conversa de verdade sobre a fé. "Tem algum livro específico da Bíblia sobre o qual você gostaria de saber mais?".

Ele hesitou brevemente e, com olhar pensativo, respondeu: "Bom, eu queria que você me contasse tudo sobre o cristianismo. Como é que ele começou? O que ele significa hoje em dia?".

Eu não conseguia acreditar no que estava ouvindo. Nunca tinham me feito perguntas desse tipo. Ficamos uma hora repassando a história da salvação, de Adão e Eva aos Atos dos Apóstolos e terminando com um intenso debate sobre a missa. Foi impressionante. Mesmo!

Eu tinha conhecido Ling, um estudante de Pequim, durante um evento do Newman Center, algumas semanas antes. Novo nos Estados Unidos e com vários amigos cristãos, Ling tinha muitas perguntas sobre essa estranha pessoa chamada Jesus, de quem ele só tinha ouvido rumores até então.

Por que eu estou contando essa história? Porque havia algo de diferente em Ling. Ele era receptivo. Ele fazia perguntas sinceras, humildes, curiosas. Ele queria saber mais. Depois de conversar com ele durante vários meses, um súbito lampejo me chamou a atenção: Ling tinha sido poupado de um fenômeno que, em nossa juventude, atingiu quase todos nós que crescemos na sociedade pós-cristã: ele não tinha sido vacinado contra o cristianismo.

Você sabe como funciona a inoculação: uma versão enfraquecida de uma doença é injetada no seu sangue. O seu sistema imunológico, percebendo o intruso, dispara o alarme e começa a produzir anticorpos que atacam os invasores, destruindo-os.

Depois disso, toda vez que a versão real da doença tentar entrar no seu corpo, o seu sistema imunológico vai reagir e matá-la. A inoculação é uma ótima forma de treinar o seu corpo no reconhecimento e no combate às doenças que ele já viu antes. Bom, eu não sou microbiologista, mas acho que você entendeu a ideia.

É claro que tomar uma vacina para prevenir doenças como varicela e hepatite B é muito bom. Mas o que acontece quando nos vacinamos contra uma visão de mundo? Contra um sistema de crenças? O que acontece quando, numa época repleta de destroços de uma cultura cristã que já foi robusta e abrangente, nós ficamos imunes e incapazes de receber a verdadeira, autêntica e salvadora mensagem de Jesus Cristo?

O que acontece quando o cristianismo se reduz a “uma doença que já vimos antes”?

Uma vacina contra a Verdade

Fulton Sheen estava certo sobre uma série de coisas, incluindo a seguinte:

"Não há nem sequer cem pessoas nos Estados Unidos que odeiam a Igreja Católica. Mas há milhões que odeiam o que erroneamente acham que a Igreja Católica é".

Sheen entendeu a tragédia da nossa inoculação. Muita gente odeia ou abandona a Igreja porque foi levada a acreditar em um falso evangelho.

Vou destacar três das mais insidiosas "falsificações" do cristianismo; três mentiras que, mascaradas de verdade, levam as pessoas a rejeitar o cristianismo por inteiro. Precisamos acabar com elas.

3 motivos que levam os católicos a abandonar a Igreja
1. "Eu imaginava Deus como um velho de longas barbas brancas, sentado numa nuvem do céu. Agora eu já enxergo o quanto isso é ridículo. O cristianismo é simplesmente uma fantasia".

Eu não sei dizer quantas vezes já ouvi ex-católicos fazendo comentários desse tipo. Imagens de desenho animado de um Deus barbudo ou de anjos com asas foram incorporadas ao nosso subconsciente. Até Michelangelo pintou Deus desse jeito na sua famosa "Criação".

Mas nós temos que lembrar que as imagens de seres imateriais nunca foram feitas para ser interpretadas literalmente. Elas são apenas símbolos que pretendem ilustrar verdades metafísicas abstratas que a imaginação sozinha não consegue entender. A representação de Deus feita por Michelangelo era muito menos uma descrição literal do que um “comentário visual” sobre a sabedoria, a atemporalidade e a eternidade de Deus.


Nós somos humanos e amamos imagens. Mas até as imagens sacras podem nos vacinar contra a verdade se não formos cuidadosos com elas. Não podemos deixar uma imagem física substituir uma realidade espiritual ou permitir que a imaginação derrote a inteligência na tarefa de discernir o que é a verdade.

"Não há nada a ser feito com o intelecto até que a imaginação seja posta com firmeza em seu lugar" (Frank Sheed).

2. "O ponto central do cristianismo é fazer o bem e ser uma boa pessoa. Eu posso fazer isso sem religião".

Quando eu pergunto às pessoas qual elas acham que é a mensagem central do cristianismo, a resposta mais comum é esta: "ser uma boa pessoa".

Se esta fosse a verdadeira mensagem do cristianismo, eu não culparia as pessoas por abandoná-lo. Quem é que iria querer seguir todas essas regras, manter todas essas posições políticas impopulares e passar todas essas horas sentado, ajoelhado e em pé quando poderia muito bem abandonar todos esses aspectos da religião e ainda assim ser "uma boa pessoa"?

Jesus Cristo não foi apenas uma boa pessoa. Ele é o Filho de Deus feito homem e morreu para que pudéssemos viver em eterna relação de amor com Deus. Cabe a nós responder a este convite comprometendo a nossa vida com Ele.

"Deixe a religião ser menos teoria e mais um caso de amor" (G.K. Chesterton).

3. "Muitos indivíduos da Igreja cometeram uma enormidade de erros e de decisões erradas. Esta Igreja está cheia de pecadores e eu não quero fazer parte disso".

Temos que ter sempre muita sensibilidade para com quem foi machucado por indivíduos que fazem parte da Igreja. Eles têm razão: a Igreja está cheia de pecadores e sempre esteve, desde as traições de Pedro e de Judas.

Mas, ao mesmo tempo em que a Igreja está cheia de pecadores, ela também é a Igreja Una, Santa, Católica e Apostólica fundada por Jesus Cristo e guiada pelo Espírito Santo. Abandonar a Igreja porque ela está cheia de pessoas pecadoras é como desistir da academia porque ela está cheia de pessoas fora de forma. Temos que promover a reforma da nossa Igreja, mas de dentro dela!

"A Igreja não é um museu de santos, mas um hospital de pecadores" (Abigail Van Buren).

O remédio: redescobrir o mistério

Citei três das maiores mentiras sobre o cristianismo; mentiras que, incutidas em nosso subconsciente, podem nos impedir de chegar algum dia a compreender de verdade a mensagem autêntica do Evangelho.

Felizmente, há maneiras de combater a síndrome do “eu já vi isso antes”. Se alguém que você conhece caiu nessa armadilha, tente algumas destas técnicas de “desvacinação”:

1. Derrube os mitos. Ajude as pessoas a enxergarem que a nossa cultura as vacinou com falsos evangelhos.

2. Proponha as Escrituras. Não deixe a fé ficar velha. Ensine as pessoas a experimentar os milagres da Encarnação e da Ressurreição de novo, através dos olhos dos primeiros cristãos.

3. Seja como Ling. Desafie as pessoas a se aproximarem de nosso Senhor com honestidade, humildade e de coração aberto. Se nós fizermos isso, o Deus que torna novas todas as coisas vai nos transformar de uma forma que nunca imaginamos que fosse possível!

Eu mencionei apenas alguns dos falsos evangelhos que vejo por aí. E você, também percebe outras formas “moles” da fé cristã que impedem as pessoas de receber a verdadeira mensagem vivificante de Jesus Cristo?

Fonte Aleteia

terça-feira, 19 de agosto de 2014

Religião - É verdade que o terço de plástico é satânico?

Alguns afirmam que o terço de plástico que todos nós conhecemos tem símbolos satânicos, da nova era e da maçonaria. Será?

É cada vez mais comum ouvir pessoas se posicionando contra o uso dos conhecidos terços de plástico, muito populares por seu preço baixo. Tais pessoas, inclusive da Renovação Carismática, afirmam que estes terços seriamsatânicos, maçônicos ou da nova era.

Os detratores desses terços indicam uma série de características que os levariam a tirar esta conclusão. Mas o que há de verdadeiro em tudo isso? Como é um tema delicado, faremos uma análise objetiva e calma.

Milhões de terços “low cost”
Os terços que estão no centro da polêmica são fabricados em plástico e em quantidades industriais, o que os torna muito econômicos e ideais para distribuir em santuários marianos, encontros juvenis etc. Há diversos tipos, como veremos depois, ao analisar sua simbologia, mas todos se destacam pela sua simplicidade.

Uma das notícias prévias à Jornada Mundial da Juventude (JMJ) de Madri 2011, que chamou muito a atenção, foi a do empacotamento de sete toneladas deterços fabricados em uma empresa do Equador, prontos para serem incluídos na mochila dos peregrinos.

São terços que, além disso, têm muita aceitação nos países pobres, obviamente, e que são utilizados por diversas instituições católicas em seu apostolado para difundir esta importante forma de oração e de devoção mariana.

Também têm sido muito utilizados como acessório de moda, despojados do seu uso religioso e popularizados com uma função ornamental (colar, pulseira), sendo usados inclusive por algumas celebridades.

Elementos satânicos e maçônicos?
Como não há nenhuma prova documental nem de outro tipo que apoie a difusão desses terços por parte de sociedades secretas, seitas ou qualquer outro obscuro interesse anticatólico, a maior parte dos argumentos contra seu uso e distribuição se baseiam na simbologia que têm.

Certamente, aqui encontramos um discurso pouco sólido, baseado na vagueza da simbologia e da iconografia, que retorce muito a interpretação de sinais e símbolos. Vejamos cada um dos elementos, presentes todos eles na cruz doterço, mesmo sendo pouco visíveis, segundo a confecção de cada um.

- A serpente atrás do corpo de Jesus crucificado. Este é, sem dúvida, o elemento mais controverso. Porque, na iconografia cristã, e também em grande medida fora dela, este réptil simboliza o diabo e tudo o que se relaciona com as forças do mal. Aí está, como exemplo paradigmático, a serpente no relato da queda original de Adão e Eva. Por isso – dizem –, estaria clara a intencionalidade satânica.

No entanto, também tem uma importante base bíblica a referência da serpente ao próprio Cristo, baseada precisamente no texto do Gênesis, já que a tradição cristã, desde São Paulo, fez um paralelismo entre a figura de Adão e a de Jesus, entre a árvore do conhecimento do bem e do mal e a árvore da cruz.

A isso é preciso somar a passagem do Êxodo na qual Moisés, por indicação de Deus, confecciona uma serpente de bronze e a coloca no alto de um mastro, para que todos os feridos por picada de serpente olhem para ela e se salvem da morte. O próprio Jesus aludiu aquele texto à sua pessoa e à sua paixão e, por isso, a serpente também pode representar Cristo, sobretudo no momento da crucificação.

Na história da arte, há testemunhos disso, sobretudo no Oriente, onde encontramos báculos episcopais com a serpente ou com dois ofídios se enfrentando – que podem ser entendidos como Cristo e Satanás, ou como sinal da prudência e da sabedoria que devem ser características do pastor (“astutos como serpentes”, utilizando as palavras de Jesus).

- O sol ou os sóis (um em cada extremo da cruz). Os críticos desses terçosafirmam que nos encontramos claramente diante de um símbolo maçônico ou inclusive dos Illuminati, e que teria suas raízes nos cultos solares.

No entanto, conhecemos perfeitamente o uso da simbologia solar para referir-nos a Jesus Cristo, e que também está testemunhada na Bíblia: já Zacarias, em seu cântico (“Benedictus”), refere-se ao Messias esperado como “o sol que nasce do alto”.

Depois, a tradição cristã viu no astro-rei um sinal de Cristo ressuscitado e, por isso, as igrejas se “orientaram” (voltadas para o Oriente), bem como grande parte das liturgias cristãs, nas quais o povo, encabeçado pelo ministro que preside a assembleia, louva Deus olhando para o Oriente, a direção na qual o sol nasce.

- Os pentágonos nas extremidades de cada braço da cruz também são controversos, já que o pentágono, sobretudo com a estrela de cinco pontas inscrito, é um símbolo utilizado comumente na magia, no ocultismo e inclusive no satanismo. Algo parecido acontece com o número 5.

No entanto, este número também está associado tradicionalmente à cruz, já que foram cinco as chagas de Jesus Cristo (mãos, pés, lado). E isso não se reflete somente na piedade popular (pensemos, por exemplo, na oração de São Francisco Xavier às cinco chagas), mas também na simbologia.

Sem ir mais longe, e para ver uma representação que sai do âmbito religioso, o escudo de Portugal está formado por cinco escudos que representam os cinco reinos árabes conquistados pelo rei Afonso Henrique. E estes cinco escudos, por sua vez, têm outros cinco inscritos, que simbolizam as chagas de Cristo.

- A ausência do “INRI” é, no mínimo, outro elemento interessante. Os críticos afirmam que, ao privar a cruz do seu “título”, o homem pregado nela é descaracterizado, deixando de ser Jesus. Sabemos que “INRI” não é senão a sigla latina do que foi escrito na condenação feita por Pilatos, segundo o evangelho de João: “Jesus nazareno, rei dos judeus”.

No entanto, outras muitas cruzes não têm este título e nem por isso são anticristãs. Às vezes – como certamente ocorre neste caso –, busca-se simplificar, dada a simplicidade da representação ou seu tamanho tão pequeno.

Estou certo de que, se aparecesse o “INRI”, os detratores desses terços o interpretariam em sua versão maçônica, assim como fizeram com os símbolos anteriores. Sim, porque a maçonaria fez uma releitura do rótulo da cruz desta maneira: “Igne Natura Renovatur Integra” (A natureza inteira é renovada pelo fogo), eliminando a referência cristológica, e assim também procederam alguns grupos gnósticos. Ou seja: se não tem “INRI”, a cruz é ruim. E se tivesse, também seria...

Além disso, alguns acreditam ver demônios nos extremos da cruz em algumas das versões destes terços, mas não se pode ver nada com clareza. Poderiam ser também anjos (e não diabinhos, já que o que se pode ver é que são crianças), como há em muitas outras cruzes. Confundem os raios que há atrás de suas cabeças com chifres.

Em alguns terços, há rosas nas extremidades da cruz – elementos que, obviamente, têm sua interpretação esotérica (a seita da rosa-cruz, por exemplo), mas que são totalmente normais em um objeto que se chama precisamente “rosário” e está vinculado a esta flor.

Tudo isso me recorda aqueles textos que as pessoas enviam periodicamente por e-mail a bispos e padres do mundo inteiro, afirmando, entre outras coisas, que Bento XVI utilizada uma mitra satânica. Certa vez, também vi na televisão que alguns afirmavam que o famoso arquiteto e Servo de Deus Antonio Gaudí eramaçom, só porque utilizada cruzes nos seus edifícios! Enfim, quem quiser ver fantasmas, certamente os verá; basta distorcer um pouco os símbolos.

Alimentando uma polêmica
Uma simples busca na internet nos mostra toda essa leitura distorcida do terço e uma infinidade de advertências, convites à sua destruição e outras medidas. Blogs e vídeos publicados no YouTube nos advertem que estamos diante deterços perigosos ou, pelo menos, suspeitos, já que "não são o que parecem".

Alguns dos seus detratores fazem vagas referências a exorcistas que supostamente advertiram sobre a maldade desses terços (Quem são estes exorcistas? Quem lhes revelou isso? E se foi Satanás... como sabem que não lhes mentiu, sendo esta sua natureza?), e inclusive a videntes que receberam "mensagens do Senhor" sobre eles (Que videntes? Alguém de confiança?).

Além disso, indicam alguns, outra prova da sua maldade seria o fato de que são vendidos no âmbito da nova era, em lojas esotéricas. Isso é verdade, e podemos vê-los em tais estabelecimentos. Inclusive seus responsáveis afirmam que cada cor tem suas qualidades especiais e mágicas, garantindo que o cliente compre mais de um.

Mas precisamos levar em consideração que, nessas lojas, também são vendidas imagens religiosas de Cristo, de Maria e dos santos, associados muitas vezes a cultos sincretistas com divindades afro-americanas. E nem por isso as imagens são satânicas, maçônicas ou da nova era. Os comerciantes do oculto simplesmente as aproveitam para seu negócio, colocando-as junto a cartas de tarô, budas e bruxas.

Um pouco de bom senso e fé
O Pe. Gareth Leyshon, doutor em astrofísica e crítico da nova era, ao abordar este tema, indicou que o perigo desses terços para a fé viria, se fosse o caso, de alguma destas três razões: 1) por ter uma imagem explícita que só pudesse ter uma explicação pagã ou da nova era; 2) por utilizar uma imagem ambígua com um claro propósito anticristão; 3) ou por ter realizado algum ritual oculto sobre eles.

Sua resposta à primeira razão é negativa, já que o crucifixo tem símbolos que são totalmente explicáveis pela tradição cristã. Por isso, afirma, o mais provável é que alguém se preocupou em excesso ao ver certos símbolos no terço e começou a divulgar isso. Mas "se esta é a única razão pela qual existe esta preocupação pelos terços, então não há motivo para preocupar-se".

Quando à segunda e terceira razões, só os fabricantes o sabem. Sendo muitos deles fiéis, é totalmente descartável a intencionalidade maligna. Mais ainda: trata-se normalmente de desenhos antigos que continuam reproduzindo muitos anos depois, sem maior problema, já que o objetivo é produzir terços baratos para uma distribuição massiva. Uma emissora italiana entrevistou um desses fabricantes, e ele desconhecia completamente toda esta polêmica.

Por isso, aqui falta um pouco de bom senso e, sobretudo, senso de fé, que está unido ao anterior. Essa história de que cada terço que se reza com estes objetos não seria uma oração que chega a Deus e a Maria, mas ao próprio Satanás, é algo que não tem sentido na ótica cristã.

E se eu estiver errado, e alguém demonstrar no futuro que esses terços foram difundidos por organizações do mal, que querem destruir a fé em Cristo? Então, eu responderei como o Pe. Leyshon: "Não tenha medo! E lembre-se: cada vez que você reza as contas de um terço, você pede a Deus que o livre do mal 6 vezes, e invoca a proteção da Mãe de Deus 53 vezes".

O realmente diabólico não seria, de fato, convidar a destruir terços, desconfiar deles e semear a dúvida sobre a utilidade e eficácia da oração simples e confiante a Deus?

Fonte Aleteia

Mundo - Por que o Papa Francisco quis visitar cemitério para crianças abortadas na Coreia do Sul?

O cemitério de Kkottoghnae descortina um triste segredo do próspero país: o maior índice de abortos do mundo.

De muitos pontos de vista, a Coreia do Sul apresenta ao mundo uma grande história de sucesso. Eleições pacíficas e regulares têm se realizado desde que o país completou a sua transição para a democracia na década de 1980, em nítido contraste com o despótico e até psicótico regime do norte da península, governado pelo ditador vitalício Kim Jong-Un. Produtos da Samsung e da Hyundai saem das linhas de montagem continuamente e são vendidos para consumidores do mundo inteiro, garantindo para os sul-coreanos um dos mais altos padrões de vida do continente asiático.

E o número de cristãos continua a crescer no país. Quase um terço da população de 50 milhões de sul-coreanos, ou seja, cerca de 15 milhões de pessoas, professa hoje a fé em Jesus Cristo. Um terço dos cristãos faz parte do rebanho católico e é, portanto, o motivo principal desta visita apostólica de Francisco.

Mas este país do Extremo Oriente, com a sua história de sucesso em tantos aspectos, esconde uma vergonha secreta: a Coreia do Sul tem o maior índice de abortos do nosso planeta. Quase a metade de todas as gestações termina em aborto. A cada ano, quase tantas crianças coreanas são abortadas quantas conseguem chegar a ver a luz do dia.

O papa Francisco entende que as ações falam mais alto que as palavras. Pense, por exemplo, na participação dele na Marcha pela Vida do ano passado, em Roma. Ele sabe que a sua visita a um cemitério para crianças abortadas chama a atenção para esta tragédia que continua acontecendo de modo alarmante.

As dimensões desse holocausto sul-coreano são impressionantes. Uma fonte estima que tenham ocorrido 340 mil abortos em 2012, ano em que o país inteiro contabilizou apenas 440 mil nascidos vivos. Talvez 20 milhões de crianças tenham sido abortadas durante a última metade de século, um número imenso para um país do tamanho de Portugal; um número que é mais de seis vezes o total de vítimas civis e militares do país durante a Guerra da Coreia.

O número de abortos na Coreia do Sul, no entanto, é pouco mais do que um chute. Ninguém sabe a real quantidade com precisão, já que quase todos os abortos realizados no país são tecnicamente "ilegais". As leis sul-coreanas permitem o aborto em casos de estupro ou de incesto, quando a saúde da mulher está em perigo ou quando a mulher grávida ou seu cônjuge tem determinadas doenças transmissíveis ou hereditárias. Mas ninguém mantém registros da prática.

As restrições estão em vigor desde 1953, mas são quase completamente ignoradas. As clínicas de aborto anunciam abertamente os seus serviços em grandes cidades como Seul e Pusan​​. Muitas mulheres coreanas abortaram mais de uma vez. E as autoridades, na maioria dos casos, fazem vista grossa.

O que, afinal, está acontecendo? Por que o pior holocausto do mundo de crianças ainda não nascidas está ocorrendo em um país onde a maioria dos abortos é ilegal?

Uma resposta em duas palavras: controlepopulacional.

No final da década de 1960, a Coreia do Sul recebeu enorme pressão dos Estados Unidos para reduzir a sua taxa de natalidade, com base na alegação de que o país era "superpovoado" (não era verdade; o país não era "superpovoado", mas apenas pobre). O governo sul-coreano obedeceu ao Tio Sam e adotou a política do limite legal de dois filhos por casal. Na realidade, a Coreia do Sul não tinha muita escolha, já que, nos primeiros anos do pós-guerra, as forças dos Estados Unidos eram a única coisa que bloqueava o caminho entre o país e as contínuas agressões da Coreia do Norte e da China.

A propaganda contrária à natalidade foi rapidamente introduzida nas escolas. Casais com mais de dois filhos eram criticados publicamente, enquanto funcionários do governo com mais de dois filhos perdiam o emprego. As leis que restringiam o aborto, neste cenário, se tornaram mera letra morta.
O aborto virou rapidamente o principal meio de controle da natalidade para os casais que tinham que se adaptar ao novo limite de apenas dois filhos. O holocausto do aborto tinha começado.

Hoje, meio século depois, a maioria dos sul-coreanos compreende que a política dos dois filhos foi um erro trágico. Dom Peter Kang U-il, bispo de Cheju e presidente da Conferência dos Bispos Católicos da Coreia, disse recentemente que a nação enfrenta "um desastre nacional" por causa de "políticas governamentais aplicadas ao longo dos anos".

A taxa de natalidade sul-coreana, de apenas 1,25 filhos por mulher, está entre as mais baixas do mundo. A população da Coreia do Sul está envelhecendo rapidamente; a força de trabalho está diminuindo e a população já começou a declinar.

Diante de tais números desalentadores, que pressagiam uma espécie de suicídio nacional gradual, o governo inverteu a política: agora, o país não só abandonou o limite de dois filhos como oferece incentivos para que as famílias tenham mais crianças. Além disso, o governo está começando a reprimir os abortos ilegais.

Parece um caso de “muito pouco e muito tarde”, já que o aborto se tornou praticamente um modo de vida na Coreia. Os cemitérios de não-nascidos continuam ficando cada vez mais cheios. Mas...

É habitual que o papa visite os santuários dos mártires. E o cemitério de crianças abortadas é, em certo sentido, uma espécie de santuário. Afinal, as crianças a quem ele é dedicado são pequenos mártires de um programa de controle populacional descontrolado. Elas morreram porque os seus pais, instigados pelo próprio governo e pelo governo norte-americano, decidiram que aqueles filhos ainda não nascidos eram excesso de bagagem na jornada rumo à riqueza.

A visita do papa Francisco a este cemitério deverá brilhar como uma luz sobre o holocausto do aborto coreano e, assim eu oro para que seja, contribuirá para reduzir ou até encerrar em breve esse holocausto. Afinal, o tema da viagem do papa é: "Levanta-te, Coreia, e veste-te de luz; a glória do Senhor brilha sobre ti".

Se a Coreia abraçar esta luz, não haverá mais espaço para a escuridão do aborto.

Fonte Aleteia

Saúde - Menino de 11 anos decide doar seus órgãos.

A história de Liang Yaoyi, o menino chinês de 11 anos que nos últimos minutos de vida decidiu doar seus órgãos.

Uma mãe paralisada pela dor. A maca no meio do corredor do hospital, ao redor os médicos e enfermeiros que se inclinaram com profundo respeito diante da atitude heroica do menino. Gesto esse que na tradição chinesa se chama “koutou”, é repetido nos funerais como sentimento de profunda dor e afeto pelo defunto. A foto provocou forte impressão em toda a Repúplica Popular da China e girou o mundo. 

Esta é a imagem de uma tragédia humana como tantas outras, porém onde o protagonista era um menino de 11 anos, que foi um gigante pela força de sua alma e generosidade, expressada até o último instante antes de fechar para sempre os olhos (Corriere della Sera, 10 de agosto).

Apenas 11 anos, mas um profundo sentido de altruísmo. É uma história positiva a de Liang Yaoyi, o menino chinês que tinha um tumor no cérebro, impossível de remover. O pequeno sabia o que o esperava e pensou em não deixar se perder todo o sofrimento vivido, seja seu ou de sua família. Desta forma, tomou a decisão, por si mesmo, de doar seus órgãos. “Para salvar outras vidas”, disse o menino que sonhava em ser médico cirurgião quando crescesse. Sua decisão comoveu a China, país onde a cultura da doação de órgãos ainda não foi estabelecida. A história do menino foi um exemplo para uma nação de 1,3 bilhão de habitantes. Oito horas depois da doação, seus rins e fígado salvaram a vida de outras duas pessoas (Caffeina, 13 de agosto).

Fonte Aleteia

Bicentenário - Decreto concede Indulgências no Ano Jubilar de Dom Bosco.

A Penitenciaria Apostólica publicou nesta segunda-feira, 18, o decreto que considera o ano do bicentenário do nascimento de Dom Bosco – de 16 de agosto de 2014 a 16 de agosto de 2015 – como Ano Jubilar, particular situação à qual está ligada a obtenção da indulgência plenária.

O decreto refere que “por especialíssimo mandato do Santíssimo Padre Francisco, concede benignamente o Ano Jubilar com anexa Indulgência Plenária – observadas as condições de confissão sacramental, comunhão eucarística e oração nas intenções do Santo Padre, se participarem piamente a qualquer função sagrada celebrada em honra de São João Bosco ou ao menos, ou se detiverem por um razoável espaço de tempo em pias considerações diante de uma relíquia ou imagem sagrada do Santo, concluindo com a Oração do Senhor, o Símbolo da Fé e de invocações a Virgem Maria e a São João Bosco”.

Seguido os preceitos, a indulgência pode ser alcançada tanto pelos membros da Família Salesiana, quanto por todos os fiéis cristãos com espírito penitente e movidos pela caridade, que podem também aplicá-la em sufrágio pelas almas dos fiéis defuntos que se encontram no Purgatório.

A Penitenciaria determina também para isto as datas de 31 de janeiro de 2015, Solenidade de São João Bosco e 16 de agosto, data do bicentenário e cada vez que, em grupo, fizerem parte de uma sagrada peregrinação aos seguintes locais:

a) no Templo consagrado de Deus, existente em honra a São João Bosco em ‘Castel nuovo’ Dom Bosco, sobre o ‘Colle Don Bosco’, situado na cidade natal do santo;

b) no Templo dedicado à Bem Aventurada Virgem Maria Auxiliadora em Turim, onde estão depositados os restos mortais do santo e considerado como centro espiritual de todo Instituto Salesiano. A construção do Santuário – elevado à dignidade de Basílica Menor em 1911 – foi cuidada por São João Bosco.

“Os fiéis cristãos impedidos por motivo de idade ou doença grave, poderão igualmente lucrar a Indulgência Plenária – se rejeitando interiormente qualquer pecado e tendo a intenção de cumprir, apenas seja possível, as três condições, diante de qualquer imagem de São João Bosco – unirem-se espiritualmente às celebrações ou visitas jubilares, na própria casa ou onde se encontrarem pelo impedimento, recitando as orações acima indicadas, oferecendo os próprios sofrimentos ou desconfortos da própria vida”, conclui o decreto.

Fonte: Rádio Vaticano/Canção Nova - site jovensconectados.org.br

domingo, 17 de agosto de 2014

Novos Acólitos Salesianos

Novos Acólitos Salesianos 
Sãol Paulo 15/08/2014
Parabéns aos jovens da Inspetoria Salesiana São Pio X do sul do país.
Luiz Opata (Ponta Grossa)
Jeferson Junio (Ponta Grossa)
Adriano Toillier 
Giovane Souza

sábado, 16 de agosto de 2014

Dia da Vocação à Vida Consagrada

Que em tuas esperanças, Deus te atenda. Que em tuas necessidades, Deus te supra. Que tudo que quiseres, Deus te dê o melhor. Que nas horas de ansiedade, Deus te acalme. Que nas incertezas, Deus te dê segurança. Que em tuas orações, Deus te ouça.

Que a todos os sonhos, Deus te faça concretizar. Que a todos os planos, Deus te faça realizar. Que em todas as decisões, Deus te dê discernimento. Que em todos os passos, Deus te dê o equilíbrio. Que em todas as atitudes, Deus te dê temperança. 

Que em todos os empreendimentos, Deus te faça prosperar. Que em todas as batalhas, Deus te dê vitórias. Que em todas as ações, Deus te dê humildade. Que em todos os relacionamentos, Deus te dê amor.

Que enquanto existir trabalho a fazer, Deus te utilize. Que enquanto houver algo a realizar, Deus te use. Que em todos os dias, o amor de Deus continue contigo. Que “Deus te abençoe e te guarde. Deus te dê a paz.”

Matéria - 16/08/2014 – Padre Inspetor Asídio Deretti, SDB fala sobre o Bicentenário de nascimento de Dom Bosco.

A família Salsiana do mundo inteiro se alegra e comemora no terceiro final de semana do mês vocacional de agosto os 199 anos do nascimento de São João Bosco. Nesta data, mais precisamente de 16 de agosto de 2014 até 16 de agosto de 2015, a família salesiana comemora o ano do Bicentenário de seu fundador, pai e mestre da juventude. Em virtude da abertura desta comemoração, solicitamos ao P. Asídio Deretti, SDB – padre inspetor na inspetoria São Pio X, do sul do país – alguns esclarecimentos sobre a data. Segue abaixo entrevista com o padre: 

CS - O que é o Bicentenário de Dom Bosco e o que representa à Inspetoria?
P. Asídio - Na realidade trata-se do Bicentenário do nascimento de Dom Bosco. Aproveitando esta data tão significativa, o Reitor-mor P. Pascual Chávez, quis dar um destaque todo particular ao evento para conhecer, amar e vivenciar mais Dom Bosco e seu carisma. É um grande acontecimento para nós, para a Família Salesiana e para todo o Movimento salesiano.
Para a nossa Inspetoria é tão significativo quanto para a Congregação. É um tempo forte para reavivar a vocação salesiana e a missão que Dom Bosco nos deixou. 

CS - Quando começa e quanto termina?
P. Asídio - Tendo presente que Dom Bosco nasceu no dia 16 de agosto de 1815, o Bicentenário se encerrará no dia 16 de agosto de 2015.
O Reitor-mor quis que esta comemoração fosse precedida por uma preparação de três anos, por um triênio, enfocando um determinado tema de aprofundamento para cada ano, assim distribuídos: 
*Primeiro ano de preparação:
Conhecimento da história de Dom Bosco
16 de agosto de 2011 - 15 de agosto de 2012.
A primeira etapa foi centralizada no conhecimento da história de Dom Bosco e do seu contexto, da sua figura, da sua experiência de vida, das suas opções.
**Segundo ano de preparação:
Pedagogia de Dom Bosco
16 de agosto de 2012 - 15 de agosto de 2013
No segundo ano procurou-se aprofundar a pedagogia de Dom Bosco.
***Terceiro ano de preparação:
Espiritualidade de Dom Bosco
16 de agosto de 2013 - 15 de agosto de 2014
Conhecer e viver a espiritualidade de Dom Bosco.
A partir do dia 16 de agosto de 2014 iniciamos o ano de celebração do Bicentenário: 
****Ano de celebração do Bicentenário
Missão de Dom Bosco com os jovens e pelos jovens.
16 de agosto de 2014 - 16 de agosto de 2015.

CS - Quais as principais ações dos salesianos do mundo para essa comemoração?
P. Asídio - Para o ano de celebração do Bicentenário temos o seguinte Calendário mundial:
16 de agosto de 2014 Abertura do Bicentenário, no Colle Don Bosco
19-23 de novembro de 2014 Congresso Histórico Internacional, no Salesianum de Roma
19-21 de março de 2015 Congresso Pedagógico Internacional, na UPS de Roma
21-25 de maio de 2015 Encontro dos Bispos Salesianos, em Turim
06-09 de agosto de 2015 Congresso Internacional de Maria Auxiliadora, em Turim
11-16 de agosto de 2015 Campo Bosco da AJS, em Turim e no Colle Don Bosco
16 de agosto de 2015 Encerramento do Bicentenário, no Colle Don Bosco

CS - Quais as atividades relacionadas ao Bicentenário pela Inspetoria?
P. Asídio - Destaco aqui algumas atividades que foram programadas entre nós salesianos (SDB) e as Filhas de Maria Auxiliadora (FMA) das duas Inspetorias. 
- Durante o Triênio, procuramos vivenciar o tema de estudo proposto para cada ano, principalmente através da Estreia do Reitor-mor. Nos encontros Inspetorias reservamos um tempo da reunião para aprofundamento do tema para cultivo dos participantes. Em cada Obra, os temas estão sendo estudados e vivenciados de acordo com a programação local. 
- Foi publicado um livro sobre temas de salesianidade com o título: "Conhecer Dom Bosco". Estes temas estão sendo estudados pelos leigos e leigas presentes nas nossas Obras.
- Em maio deste ano houve uma peregrinação de leigos das duas Inspetorias aos “Lugares Salesianos” e está sendo organizada outra para o próximo ano. 
- Está programada para 2015 uma Peregrinação da Estátua de Dom Bosco passando pelas Casas dos salesianos (SDB) e Filhas de Maria Auxiliadora (FMA) dos três Estados. Esta atividade será concluída no dia 16 de agosto de 2015 com uma concentração à uma Paróquia dedicada a Dom Bosco. No Paraná será em Guarapuava, em Santa Catarina, em Itajaí e no Rio Grande do Sul, em Porto Alegre. Junto com o encerramento, acontecerá o Congresso Estadual da Articulação da Juventude Salesiana. 

CS - Uma mensagem do padre inspetor aos salesianos de Ponta Grossa, pela passagem do Bicentenário.
P. Asídio - Aos meus irmãos salesianos desejo que a celebração do Bicentenário do nascimento de Dom Bosco faça crescer sempre mais em nós o amor e a dedicação aos jovens que tinha o nosso fundador e pai.

Colaborador(a): Jackson Rodrigo Eidam
Correção: Jackson Rodrigo Eidam

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Video de saudação do Bicentenário – Reitor-mor



Vídeo de saudação do Bicentenário – Reitor-mor 
Inspetoria Salesiana.
16 de Agosto de 2014 
Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora. 
Ponta Grossa - Paraná.

Matéria - 09e10/08/2014 – Festividades do Dia dos Pais e Início da Semana da Família marcam o segundo fim de semana de Agosto na paróquia.

Para visualizar o álbum completo, clique na imagem acima.
No segundo final de semana do mês de agosto na paróquia N S Auxiliadora foi celebrado do Dia dos Pais, missas com homenagens e presentes aos pais, além de pastelada, jantares e almoço marcaram este dia. 

Durante o mês vocacional, celebramos a Semana da Família que, este ano, é de 10 a 16 de agosto, então o tema que vamos refletir durante a novena é Família Igreja Doméstica – a 1ª comunidade cristã e a pastoral familiar realizará encontros nas casas, um aprofundamento “A espiritualidade cristã na família: um casamento que dá certo” que propõe a prática espiritual do casal e em família. 

Colaborador(a): Sandro Luís Bitobrovec
Correção: Alexsandra Denise Pereira

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Vídeo - Festa Junina na Dom Bosco 2012.


Festa Junina na Dom Bosco 2012
10 de Junho de 2012
Comunidade São João Bosco
Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora.
Ponta Grossa - Paraná.

Felipe Passos comenta sobre a prisão dos suspeitos do crime contra ele.

Felipe Passos comenta nas redes sociais sobre a prisão dos suspeitos de terem cometido o crime contra ele em janeiro de 2013.

Gostaria de pedir perdão a todos que me enviam mensagens por "inbox" e entram em contato de alguma outra forma e não consigui responder ainda. Mas ao mesmo tempo que é um alívio poder saber e tentar entender o que realmente aconteceu e quem eram os envolvidos, peço q entendam que tenho que entregar meu TCC e defendê-lo, se Deus quiser, nesta sexta feira, na universidade. Estou meio nervoso e tal pra que ocorra tudo certo e eu me forme logo em Automação Industrial.

Peço oração pela alma de Ingridy Tatiene (na época menor de idade), pela de seu marido (os dois que organizaram o crime), por Robson e Douglas (estes 3 últimos nunca tinha conhecido ou visto antes) para que Deus seja o que realmente julgue da melhor maneira. Eles tem o meu perdão, de coração, desde quando eu estava na UTI. Mas não há nada que impeça de responderem devidamente por seus crimes cometidos e de que a justiça exerça sua função!!!
Agradeço aos policiais, bombeiros e todos que incansavelmente se dedicaram de forma excepcional no caso e que fazem seus trabalhos com muito profissionalismo!

Agradeço muito a oração, ajuda, força, palavras, carinho de todos, desde o início! Quero poder ser instrumento de Deus enquanto vivo, mesmo com minhas misérias. Se na hora que levei o tiro e fiquei inconsciente, de alguma forma cheguei a "conversar'' com Deus, tenho certeza q Ele viu q eu sou um chatooo mesmo e devo ter insistido pra voltar a viver porque EU QUERO VIVER PRA VER!!! TENHO PRAZER PELA VIDA! POR RESPIRAR! E gosto de repetir q muitos quando passam por alguma situação difícil dizem q "eram felizes e não sabiam.." Eu digo q eu era feliz. Sabia. Hoje sou muito mais feliz e espere Deus permitir eu a voltar a andar, que o mundo (literalmente...!) vai ver o que um "louco" de alegria e felicidade é quando se tem o Maior Tesouro!

Quero realmente te pedir oração agora, e não tenho porque ficar sem pedir esse presente. Reze, fazendo favor, pelo milagre que Deus pode realizar da cura física em minha vida!!!
Deus nos abençoe e seus anjos e santos nos protejam!

E que eu termine logo minha universidade!!! Hehe (lembrando q vou convidar todos do facebook pra quando a Colação for marcada! kkk quero só ver se vai caber todo mundo pra essa festa.. hehe =]

Att
Felipe Passos

ALETEIA - Por que é tão errado falar mal do próximo?

Padre, saio muito com as minhas amigas e sempre acabamos falando mal das pessoas. Isso é um pecado?"

Pergunta: “Padre, saio muito com as minhas amigas e sempre acabamos falando mal das pessoas. Isso é um pecado? O que o senhor me recomenda? Como posso melhorar isso?”

Falar mal do próximo é um defeito muito prejudicial, porque manifesta pouco respeito pelo outro e torna pouco confiável quem tem este mal hábito. Quem se acostuma a falar mal do outro também poderá falar mal de você em algum momento, porque talvez já seja um hábito adquirido e, em muitos casos, como você menciona, não é fácil de erradicar.

Como você pode ver, é um defeito que precisa ser mudado, não somente por ser pecado, mas porque prejudica as relações humanas e tampouco ajuda a construir amizades sinceras.

Agora, vejamos o que o Catecismo da Igreja Católica nos diz sobre isso. Entre os pecados que atentam contra o 8º mandamento, encontramos os juízos temerários, a calúnia e a maledicência. Às vezes, o dom da palavra é tratado com muita superficialidade, e isso pode causar muito dano.

O Catecismo (n. 2477) explica cada um desses pecados:
“O respeito pela reputação das pessoas proíbe toda e qualquer atitude ou palavra susceptíveis de lhes causar um dano injusto. Torna-se culpado:
– de juízo temerário, aquele que, mesmo tacitamente, admite como verdadeiro, sem prova suficiente, um defeito moral do próximo;
– de maledicência, aquele que, sem motivo objetivamente válido, revela os defeitos e as faltas de outrem a pessoas que os ignoram;
– de calúnia, aquele que, por afirmações contrárias à verdade, prejudica a reputação dos outros e dá ocasião a falsos juízos a seu respeito.”

Penso que são muitas as vezes em que, com superficialidade, podemos atribuir males morais a outras pessoas sem ter certeza se isso é verdade. Talvez nos baseemos em suposições, impressões subjetivas ou comentários escutados. As afirmações provocam dúvidas sobre a boa honra da pessoa criticada.

Inclusive algumas vezes, tacitamente, com um gesto, pode-se deixar aberta a porta para que se coloque em dúvida a boa fama e reputação de uma pessoa. Quanto dano se pode causar com isso! Isso sem falar da calúnia em si, com a qual se levanta um juízo falso com o único objetivo de prejudicar uma pessoa.

É muito doloroso ver como, ao levantar falsos testemunhos, prejudica-se a honra das pessoas, algo que depois é muito difícil de limpar. Meu pai, para nos corrigir frente a este defeito, quando éramos crianças, sempre nos contava a conhecida história de uma pessoa que foi se confessar de ter falado mal de outro em uma reunião, e o padre lhe disse:

- Faça o seguinte: traga-me uma galinha, mas vá despenando-a ao longo do caminho.
A pessoa seguiu o que o padre disse e, quando chegou à Igreja, o sacerdote lhe disse:
- Agora vá, por favor, e recolha as penas.
A pessoa lhe respondeu:
- Mas, padre, isso é impossível!
- Bem – concluiu o padre –, acontece a mesma coisa quando você fala mal de alguém: poderá recolher e consertar algumas coisas, mas muitas outras, não.

Portanto, prestemos sempre atenção às nossas palavras. Para progredir neste domínio da palavra, talvez você possa se perguntar, antes de falar: “Isso que vou contar sobre tal pessoa, eu seria capaz de dizê-lo na frente dela?”.

Depois, pergunte-se também: “Qual é o objetivo do que vou dizer? Ajudar?”. Porquue, se o seu objetivo é ajudar a pessoa a mudar, precisa procurar a pessoa para fazer uma correção fraterna, com amor e sem juízos de valor.

Outra pergunta a ser feita: “Quando eu cometer um erro, vou querer estar na boca de todo mundo?”.

É sempre bom seguir aquilo que Jesus ensinou: tratar os outros como gostaríamos que nos tratassem.

Também lhe recomendo que peça ajuda a Deus para crescer no domínio da palavra. Por último, que procure não julgar, não ficar olhando para o cisco no olho alheio.

Para encerrar, recomendo que você leia o capítulo 3 da carta do apóstolo São Tiago. Um trecho é este:

“Todas as espécies de feras selvagens, de aves, de répteis e de peixes do mar se domam e têm sido domadas pela espécie humana. A língua, porém, nenhum homem a pode domar. É um mal irrequieto, cheia de veneno mortífero. Com ela bendizemos o Senhor, nosso Pai, e com ela amaldiçoamos os homens, feitos à semelhança de Deus. De uma mesma boca procede a bênção e a maldição. Não convém, meus irmãos, que seja assim” (Tiago 3, 7-10).

(Pergunta respondida originalmente pelo Pe. Enrique Granados para o Centro de Estudos Católicos)
Fonte Aleteia

Ministério de Acolitato dos Seminaristas Jeferson Junio e Luiz Opata de Ponta Grossa/PR

“Vos agradecemos porque nos tornastes dignos de estar aqui na Vossa presença e Vos servir”. (Oração Eucarística II) 

A Conferência das Inspetorias dos Salesianos de Dom Bosco no Brasil – CISBrasil, realiza no próximo dia 15, a Celebração Eucarística na qual onze salesianos do primeiro ano de teologia serão admitidos ao ministério de Leitor e nove salesianos do segundo ano de teologia ao ministério Acólito. 

A celebração eucarística em que os salesianos vão receber os ministérios de Leitor e Acólito acontece no dia 15 (vésperas dos 199 anos do nascimento de São João Bosco), às 18h, na Capela da Comunidade Santo Tomás de Aquino no Alto da Lapa em São Paulo-SP.

Recebem o Ministério do Leitorato: S. Bruno N. Calderaro de Oliveira (BSP), S. Enéas Andrade de Araújo (BRE), S. Ivan Artur Lima de Faria (BBH), S. José Ivanildo de Oliveira Melo (BMA), S. José Rodolfo G. dos Santos (BSP), S. Leomar Ferreira de Lima (BMA), S. Luiz José Bizarello (BPA), S. Marcelo Manoel da Silva (BRE), S. Márcio Fernando de Castro (BSP), S. Romeu do Nascimento Dias (BBH) e S. Washington Luis P. Macena (BMA); 

Ministério de Acolitato: S. Adriano Áureo Toillier (BPA), S. Edilson Agreson da Silva (BBH), S. Giovane de Souza (BPA), S. Herison Leandro Cavalcanti (BRE), S. José Paulino de Godoy Jr (BBH), S. Jeferson Junio Moreira (BPA - Ponta Grossa/PR), S. Luiz Antonio Opata (BPA - Ponta Grossa/PR), S. Tércio Rodrigo Santos da Silva (BSP) e S. Vanderson de Souza Gomes (BCG). 

A Igreja instituiu, já em tempos antiquíssimos, alguns ministérios, com o fim de render a Deus o devido culto e de prestar serviço ao povo de Deus, segundo as suas necessidades. Com esses ministérios eram confiadas aos fiéis funções da liturgia sagrada e do exercício da caridade, que exerceriam conforme as diversas circunstâncias. O Leitor proclama a Palavra de Deus na assembleia litúrgica, transmitindo-a com fidelidade, para que ela frutifique cada vez mais no coração das pessoas. O Acólito, instituído como ministro extraordinário da Santíssima Eucaristia, porque a ele, por exercício do ministério, cabe ajudar os sacerdotes e diáconos a distribuir a Sagrada Comunhão, bem como leva-la aos enfermos. Dedicando-se ao serviço do Santo Altar crescendo na fé e na caridade. (Cf. Pontifical Romano).

A Celebração será presidida pelo Diretor-Presidente da CISBrasil e inspetor da Inspetoria Nossa Senhora Auxiliadora, Pe. Edson Donizetti Castilho. 

terça-feira, 12 de agosto de 2014

Vídeo - JMJ Rio2013 - 01 Ano - parte 02


JMJ Rio2013 - 01 Ano - parte 02
23 a 28 de Julho de 2013
Rio de Janeiro - Brasil
Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora.
Ponta Grossa - Paraná.

Caso Felipe Passos - Polícia prende grupo e esclarece caso.

Três rapazes acusados de assaltar e atirar no jovem Felipe Ramon dos Passos, em janeiro do ano passado - a vítima ficou paraplégica depois do crime.

A Polícia Civil prendeu três pessoas acusadas de participar do assalto que deixou o jovem Felipe Passos paraplégico. O rapaz guardava em casa uma grande quantia em dinheiro – o valor seria usado para uma viagem a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) que foi realizada no ano passado no Rio de Janeiro. Durante o crime, Felipe acabou sendo baleado com um tiro na nuca.

Segundo o Delegado da Polícia Civil, Josimar Antonio da Silva, a investigação começou logo após o crime. Um dos envolvidos foi preso na cidade de Pinhais, região metropolitana de Curitiba, outro em Telêmaco Borba e um terceiro na cidade de Ponta Grossa. “Eles detalharam em um primeiro depoimento todo o crime, desde sua articulação até a execução. Se necessário faremos uma acareação entre todos os envolvidos.” afirmou o delegado.

O assalto
O crime aconteceu em 13 janeiro de 2013, na Rua Pelicano no Núcleo Santa Marta em Ponta Grossa. Estudante de automação industrial na Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Felipe foi baleado no pescoço e ficou paraplégico após o crime.

Os bandidos tentaram roubar o dinheiro arrecadado pelo grupo de jovens da igreja de Felipe, que seria usado na Jornada Mundial da Juventude (JMJ). O caso envolvendo o jovem teve repercussão nacional.

Uma adolescente, integrante do grupo de jovens de Felipe, foi quem planejou o assalto. Ela fazia parte do grupo e conhecia a vítima – a suspeita tinha conhecimento de onde o dinheiro estava guardado. Na época, a garota era menor de idade e namorava um dos envolvidos.

A adolescente não está presa e responderá pelo crime junto à Vara de Infância e Juventude.

Fonte A Rede

Vídeo - JMJ Rio2013 - 01 Ano - parte 01.


JMJ Rio2013 - 01 Ano - parte 01 
23 a 28 de Julho de 2013
Rio de Janeiro - Brasil
Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora. 
Ponta Grossa - Paraná.

TRABALHO - 5 direitos trabalhistas que todo profissional deve conhecer.

Advogado cita questões trabalhistas que respondem por grande volume de ações na Justiça do Trabalho.
Toda relação de trabalho já tem um conflito na sua raiz, ao nascer. “Quando alguém vai procurar emprego, a expectativa é receber mais do que aquilo que lhe oferecem e a expectativa de quem dá o emprego é pagar menos. Daí já nasce a fonte de conflito e os desafios começam”, diz Fernando Cassar, advogado especializado em direito do trabalho, fundador do escritório Cassar Advocacia.

E milhares e milhares de contendas só serão solucionadas na Justiça do trabalho, sendo, em geral, empregadores de pequeno e médio porte os mais acionados, segundo o especialista.

Os motivos de tantas disputas entre empregados e empregadores são diversos. No entanto, muitas ações versam sobre temas recorrentes.

Confira alguns dos direitos trabalhistas que mais frequentemente terminam em ações na Justiça do trabalho, e, que, portanto, é sempre bom saber, segundo Cassar:

1. Intervalo para alimentação é obrigatório
“Em jornadas clássicas de 8 horas, a pausa é de, no mínimo, uma hora e, no máximo duas horas. A lei é taxativa quanto a isso”, explica o advogado.

Já os trabalhadores que cumprem jornada de quatro horas não têm direito, por lei, a pausa. E quem trabalha mais de quatro horas, e menos do que seis, o intervalo obrigatório é de 15 minutos. 

O problema reside, segundo Cassar, quando há a tentativa de conchavos. “O empregado trabalha oito horas e diz que para ele 15 minutos de intervalo está bom, mas quer sair mais cedo, por exemplo, para compensar”, diz. 

Este tipo de “acordo”, diz Cassar, é totalmente proibido. “O tempo do intervalo não depende da vontade nem do empregado, nem do empregador. É um direito indisponível, ou seja, é inegociável”, explica.

2. Horas extras: no máximo duas por dia
“A lei só permite que um funcionário trabalhe até 10 horas por dia”, diz Cassar. Assim, empregados que cumprem jornada de 8 horas, podem trabalhar no máximo 10 horas, ou seja, duas horas a mais do que o expediente habitual.

O advogado explica que, em empresas que adotam banco de horas, via de regra, não é nem possível marcar mais de duas horas extras por dia.

A exceção a essa regra fica com as categorias que cumprem plantão em escala de 12 horas por 36 horas. “Nesse caso a jurisprudência vem tolerando, embora não esteja previsto em lei”, diz Cassar.

E o que acontece com quem ultrapassa o limite de horas extras? “Na Justiça, a pessoa vai receber pelas horas trabalhadas e o juiz vai expedir ofício para a delegacia do trabalho e para o ministério público do trabalho para que a empresa seja autuada”, diz. Se for algo que ocorra todo mês, segundo Cassar, pode gerar uma autuação.

3. Intervalo entre uma jornada e outra é de 11 horas, no mínimo
Entre uma jornada e outra, o funcionário tem direito a 11 horas de descanso. Assim, o funcionário não pode ser chamado a cumprir mais uma jornada de trabalho caso o período de 11 horas de intervalo não seja cumprido.

De acordo com o advogado, o desrespeito a esse direito de descanso é bastante frequente,principalmente em locais em que se trabalha por turnos.

“Mas, chamar um funcionário que tenha terminado a jornada à 1h da manhã para começar nova jornada às 8h do dia seguinte é tão proibido quanto trabalhar mais do que 10 horas por dia”, explica.

4. Executivos não estão submetidos à jornada
Executivos com ordem de comando, ou seja, poder de admitir, demitir e com autorização para representar o dono da empresa não estão sujeitos à jornada. Isso significa que esses profissionais não marcam ponto e, portanto, não recebem pelas horas extras trabalhadas.

Diretores e gerentes graduados, em tese, se enquadram neste perfil. Mas, o que pode gerar conflitos é que não basta ter a plaquinha de chefe. 

“Não é qualquer diretor, ou qualquer gerente. No direito do trabalho o que prevalece não é a nomenclatura, e, sim, a real atividade”, explica Cassar. Assim, é preciso que o profissional tenha, de fato, ordem de comando, independentemente do nome do cargo.

5. Anúncio em jornal por abandono de emprego rende indenização por dano moral
Em caso de abandono de emprego, a aplicação da justa causa ocorre quando um requisito obrigatório é cumprido: a comunicação ao empregado. “O empregador não pode simplesmente aplicar justa causa sem ter comunicado o funcionário”, diz Cassar.

Mas, a velha prática de anunciar no jornal que o profissional abandonou o emprego pode render ação na Justiça por dano moral. “A lei não veda o anúncio, mas a jurisprudência já entende que tal prática pode macular a imagem do empregado”, explica Cassar.

Isso acontece porque o entendimento da Justiça é de que, nesse caso, há violação da privacidade do empregado. Por isso, muitas empresas já não usam deste expediente. “A recomendação que eu dou é fazer a comunicação por meio de telegrama, que é uma correspondência inviolável”, diz o advogado.

Fonte revista Exame

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Nosso canal Youtube

pgpnsa@hotmail.com